Dicas para lidar com a baixa do capital de giro

por Equipe MasterCard no dia 04/01/2018 | Finanças  -  Tags: fluxo de caixa | capital de giro | controle financeiro

Uma situação muito comum em qualquer tipo de empresa é ter as vendas indo bem, mas passar por dificuldades de pagar as contas. Em termos práticos, isso acontece quando há um descasamento entre as datas de entradas (receitas) e as saídas (pagamento dos custos e despesas).

Além de possível, essa situação é provável para a grande maioria das empresas, principalmente para aquelas que estão no começo e ainda não têm um fluxo de vendas formado, ou para aquelas que sofrem influência direta de sazonalidades.

Alguns motivos comuns para o capital de giro da sua empresa acabar (ou estar reduzido a um nível abaixo do operável) são:

  • Falta de planejamento financeiro ou má gestão do fluxo de caixa;
  • Previsão errada de crescimento, o que puxou muitas contratações ou compra de matéria-prima ou estoque à toa;
  • Clientes atrasando pagamentos;
  • Um processo trabalhista inesperado;
  • Sazonalidades relacionadas a safras (agronegócio) ou anomalias/desastres naturais;
  • Sazonalidades ligadas ao varejo (Natal, Dia das Crianças, das Mães, dos Pais, Dia dos Namorados etc.) e, principalmente, falta de planejamento para essas épocas.

De qualquer forma, agora você precisa enfrentar a situação de frente e, pra te ajudar, seguem 5 dicas:

1- Antecipar o recebimento de vendas já feitas
Existem duas situações:

A) Seu cliente adquiriu o produto, mas está agendado para pagar mais para frente. Dependendo da sua relação com ele, pode valer a pena uma conversa para antecipar o pagamento;

B) Quem aceita pagamentos em cartão sabe que, nas vendas no crédito à vista, o dinheiro cai na conta em 30 dias. Já nas vendas no crédito parcelado, o repasse é feito de acordo com cada parcela, de 30 em 30 dias. Nesse caso, um bom caminho é antecipar essas vendas com a credenciadora.

2 - Conversar com clientes devedores
Esse é o dinheiro já ‘garantido’, pois se havia uma data determinada para o pagamento e ele não foi realizado, é preciso remarcá-la (e atualizar seu controle de fluxo de caixa) – isso se o motivo da falta de pagamento for simplesmente uma falha operacional.

O problema já ganha outra magnitude se a causa for falta de dinheiro do cliente ou, pior, desistência da compra do seu produto/serviço – fazendo com que a venda antes dada como “fechada” vá para o espaço.

E, se você já tiver entregado seu produto/serviço, ainda tem a possibilidade de calote, que atrapalha o seu fluxo de caixa e te deixa no prejuízo no curto prazo (até renegociar ou entrar com um processo).

3 - Renegociar pagamentos
Indo para o outro lado da negociação, ao prever que o seu capital de giro acabará, você consegue se planejar para ver quais pagamentos podem ter suas datas e/ou valores renegociados.

A sugestão aqui é procurar primeiro os fornecedores mais próximos e/ou com situações financeiras mais confortáveis.

Uma outra opção é modificar a data de pagamento de salários, porém essa situação pode gerar problemas com processos trabalhistas. Ou seja, comece pela modificação dos pró-labores dos sócios antes de pensar em mudar o que está relacionado aos funcionários.

4 - Força de vendas para produtos/serviços com venda mais curta
Digamos que sua empresa oferece um nº X de serviços, sendo que alguns deles possuem um período de venda mais curto. Este é o novo foco de vendas da sua empresa, principalmente se esse período curto também valer para o pagamento.

5 - Empréstimo
Apesar de não ser o caminho ideal, muitas vezes pode ser uma opção caso você consiga taxas de juros compatíveis e, principalmente, se você tiver uma previsão de faturamento garantido para bancar esse empréstimo.

Provavelmente o empréstimo mais barato será com os próprios sócios. Se isso não for possível ou suficiente, vale analisar possibilidades com bancos, financeiras ou até amigos/família.

Comentários (0)   exibir 
Deixe seu comentário:
É necessário fazer login para comentar!